O Economista 2017

Em 1987 – ano em que foi concebido O Economista-Anuário da Economia Portuguesa, no âmbito do Projecto Cadernos de Economia – a então “jovem democracia portuguesa” tinha 13 anos e alguma instabilidade, Mário Soares e Cavaco Silva eram Presidente da República e Primeiro-Ministro, o País vivia os primeiros tempos da integração europeia.

Os efeitos da segunda intervenção do FMI faziam-se sentir. Pressionado pela CEE, Portugal aceitava uma polémica revolução nos sectores da agricultura, da pecuária e das pescas, em troca de aliciantes fundos europeus.

Enquanto a Europa acelerava (o “Acto Único” entrou em vigor em Julho), Portugal debatia-se com problemas complexos, mormente de falta de competitividade da sua economia. Nas Finanças, sobressaía o carismático ministro Miguel Cadilhe. E, como hoje, há 30 anos falava-se muito de “reformas estruturais”…

Ora, é neste contexto, precisamente quando acontece o crash bolsista de Outubro de 1987, que ganha forma o Projecto Cadernos de Economia, integrando o anuário O Economista.

Avalizado pelos mais prestigiados economistas do País, da academia às empresas, o Projecto, permanentemente renovado, jamais fez cedências quanto à qualidade/imparcialidade das análises veiculadas.

Enfim, 30 anos depois, as nossas publicações de referência estão aí – com a análise económica e social que é precisa.

E2017_capa

E2017_indice

E2017_editorial

Anúncios